Página da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária

Bem-Vindo à Fepagro!

17 de Setembro de 2019, 19:58

Página da Agricultura
Publicação 09.06.2006 às 18:59

Palombini anuncia projetos para Fronteira Oeste

O combate a arenização do solo gaúcho e a implantação de um centro de transferência de embriões de bovinos leiteiros são dois novos projetos que a Fepagro (Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária) vai implantar. As propostas foram apresentadas esta semana pelo diretor-presidente da instituição, Marcos Palombini, que esteve em Santa Maria e Uruguaiana nesta semana, promovendo reuniões com representantes dos setores produtivos, universidades, assistência técnica e órgãos do governo.

De acordo com Palombini, a fundação o centro de pesquisa Fepagro Florestas, de Santa Maria, vai realizar estudos com diferentes espécies vegetais – árvores, arbustos e gramíneas – que tenham importância econômica para desenvolver a agropecuária e capazes de deter o avanço da arenização.  “A arenização é hoje um dos maiores problemas ecológicos do Rio Grande do Sul. Temos cerca de 1, 4 milhão de hectares suscetíveis e 25% dessa área já está comprometida”, afirma o dirigente. O Estado tem hoje em torno de 20 municípios na Fronteira Oeste ameaçados por esse tipo de degradação do solo, chamada equivocadamente de desertificação.

No entanto, não é a falta de chuvas que desencadeia o problema. O fenômeno ocorre porque o solo da região é formado por arenito conhecido como botucatu e existe uma fraca cobertura vegetal. Com o uso intensivo de máquinas agrícolas ou sobrecarga de animais em rebanhos, essa vegetação vai desaparecendo, cedendo espaço aos areais.

Já a instalação do centro de transferência de embriões será realizada no centro de pesquisa Fepagro Fronteira Oeste, de Uruguaiana, com o objetivo de incentivar a produção de bovinos de leite com alta produtividade a partir do uso de vacas comuns como barrigas de aluguel. “Com a instalação da Embaré em Sarandi, da Nestlé em Palmeiras das Missões e a ampliação da CCGL em Cruz Alta, o Rio Grande do Sul deverá se tornar a segunda maior bacia leiteira do Brasil. Para atingir a meta e suprir a matéria-prima dessas indústrias serão necessárias 600 mil bovinos leiteiros, sendo 400 mil em produção e 200 mil mantidas em prenhez. E a manutenção do rebanho leiteiro gaúcho dependerá da renovação de 20 a 25% do plantel”, calcula o diretor-presidente.  

Palombini também explica que a proposta da instituição é ampliar as ações da Fepagro Fronteira Oeste para tornar o centro um pólo de irradiação de novas tecnologias para os produtores da Metade Sul. “Nosso objetivo é promover a integração desses pecuaristas com a bacia leiteira do Norte do Estado, como fornecedor de bovinos”.

Atualmente, a fundação mantém em Uruguaiana trabalhos com preservação da genética do cavalo crioulo gaúcho, testes de avaliação de bovinos da raça braford, pesquisas de arroz em parceria com o Instituto Riograndense do Arroz (Irga) e um convênio com a PUCRS de Uruguaiana, beneficiando universitários carentes com estágios e alojamentos. Além disso, a entidade estuda a cedência de parte da área para a Prefeitura Municipal construir uma escola técnica agrícola. 

Jornalista: Clarissa Bem
Link desta página

Fepagro - Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária
Rua Gonçalves Dias, 570, Bairro Menino Deus, Porto Alegre/RS
Fone: (51) 3288-8000 Fax: (51) 3233-7607
E-mail: fepagro@fepagro.rs.gov.br

Siga-nos

  • RSS
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Issuu
  • Balanço Social
  • Revista PAG
  • Publicações Fepagro
  • CEMETRS
  • IPVDF
  • Newsletter
  • Dissemina
  • Correção do solo
  • Guia de Arrecadação
  • Ofertas Públicas - 1
  • Ofertas Públicas - 2
  • Transparência RS
  • Central
  • Transparência Administrativa
  • Portal dos Convênios

Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária

Desenvolvido pela Procergs | Termos de uso